quarta-feira, 16 de março de 2011

Nota pública do Coletivo Dolores sobre ato na 23ª edição do Prêmio Shell

É evidente para quem acompanha a trajetória do Coletivo Dolores que somos avessos às premiações como instrumento de eleição dos "melhores". Este mecanismo, além de naturalizar hierarquias e competições, faz com que determinados grupos detenham o poder de decidir o que é ou não é arte.

Atualmente, em nosso país, o fazer cultural é dominado por grandes empresas privadas que, baseadas em critérios falsamente neutros e na força do dinheiro, ditam qual filme devemos ver, qual música devemos escutar, qual peça teatral devemos assistir. O financiamento privado exclui e, até mesmo, inviabiliza o fazer artístico que não se enquadre em seus critérios, sejam eles estéticos ou mercadológicos.

A liberdade de expressão, tão amplamente defendida, é restringida quando meia dúzia de financiadores domina a produção cultural. Muitas vezes, esses financiadores privados se utilizam de dinheiro público por meio de isenções fiscais e ainda se beneficiam do marketing propiciado. Esta engrenagem é viabilizada pela Lei Rouanet, à qual nós e inúmeros outros coletivos artísticos frontalmente nos opomos.

Também não deixa de ser tristemente irônico que uma das premiações mais conceituadas no meio artístico seja patrocinada por uma empresa que participa ativamente da lógica de produção de ditaduras perenes, guerras e golpes de Estado. Assim sendo, publicamente nos irmanamos a todas as lutas de emancipação de povos que possuem a riqueza do petróleo, mas que não podem usufruir deste recurso devido à ingerência de potências militares em seu território e à presença de empresas petrolíferas nacionais e transnacionais que usurpam essa riqueza.

Aproveitamos para declarar publicamente que aceitamos o prêmio. Em nosso entendimento, esta é uma forma de restituição de uma ínfima parte do dinheiro expropriado da classe trabalhadora. Recebemos o que é nosso (enquanto classe, no sentido marxista) e debateremos um fim público para esta verba.

38 comentários:

Rafael disse...

Parabéns! PArabéns Dolores!

Claudio disse...

Se não abrirmos a boca pra dizer o que pensamos, NUNCA vamos ser ouvidos !!! É ISSO AI !!!PARABÉNS !!!

Falcão disse...

Parabéns! Parabéns! Parabéns!
Dei gritos de alegria quando fiquei sabendo!

Ana Carol disse...

Bravo!

Anônimo disse...

Desculpe, mas acho que não foram felizes no protesto.
O dramaturgo Vianinha disse, num poema:
"não vamos agredir
agredir não é fácil, mas transfere responsabilidades."
O ato de vocês, a meu ver, somente agrediu e transferiu responsabilidades.
É claro que seria contraditório aceitar o prêmio, diante da opinião e do trabalho de vocês, que leva em conta a luta de classes e a exploração do trabalhador.Vocês tinham é que ter recusado o prêmio - aí sim a performance com óleo queimado ganharia força e não soaria hipocrisia. Afinal, fica parecendo que vocês querem "o melhor de dois mundos":o reconhecimento, o dinheiro (que lhes são justos, penso),a liberdade de expressão(como todos nós!),e...a consciência totalmente tranquila - o que,a meu ver, é meio difícil, neste caso. Parece que vocês querem dizer que estão à margem do sistema capitalista, quando estamos todos imersos nele, infelizmente.
Fica fácil falar de contradição, de dialética, se a gente se coloca nela (aceitando o prêmio e protestando ao mesmo tempo), porém, sem abrir mão de nada...

Alexandre disse...

Concordo em partes com colega Anônimo. Por meio desta nota o Coletivo já se comprometeu a dar um "fim público" à verba recebida. Veja, se eles não recebem o dinheiro, com quem fica, então? Com a Shell. E aí, o que é melhor fazer?

O correto, na verdade, seria receber o dinheiro, mas não o troféu, pois, este sim, carrega todo o simbolismo do premio recebido de uma empresa suja (em todos os sentidos) como esta.

Miringuacu disse...

me interessa cada vez mais conhecer o coletivo dolores.

Fernando Cruz disse...

parabens pelo manifesto e pela nota publica.

e anonimo, pode colocar seu nome, sua critica é mais uma dentre as diversas que sairam na midia...

inclusive do paladino do jornalismo e escroto marcelo tas...

demonstrar publicamente e artisticamente a indignação e a contrariedade é uma lógica é muito, mas muito mais valido do que não comparecer..

e quanto ao trofeu, pode ser um objeto de peça, pode derreter, pode fazer qualquer coisa...o simbolismo do trofeu só é valido na cultura capitalista...

abraços fernandinho...

Anônimo disse...

Por isso que ninguém vai ao teatro

Coletivo Dolores disse...

Não é a toa que o dolores é BOCA ABERTA!!!!
Ninguem vai calar essa voz.
parabéns ao coletivo!

Juli =) disse...

Nota do Paulo na Bacante: http://www.bacante.com.br/blog/protestos-do-dolores-no-premio-shell

Caro coleitvo, a postura de vocês, pra mim, é uma fenda, um alívio, um ponto de respiro aberto. Violenta e agressiva é a lógica absurda que nos vomitam o tempo todo e que todos temos recebidos com caras sorridentes.

O fim público para o dinheiro - sobretudo sabendo que seria exatamente o ponto em que vcs seriam questionados pelos blablablas todos - é um grande achado! Parabéns!

Abraços,
Juli =)

Samuel Maice disse...

Sim, "classe", no sentido marxista.

Classe dos Chatos, Luditas e Nefelibatas.

Luiz Elias Sanches disse...

Postei no lugar errado, mas posto aqui novamente:
Parabéns pela coragem e coerência demonstradas no episódio da premiação. Exemplo a ser seguido em tempos em que se enaltece tanto o oportunismo e o individualismo como forma de disputa das migalhas que caem da mesa do banquete dos poderosos.

Samara Marino disse...

Preciso dizer que pra mim não é nenhuma surpresa que estes meninos sejam da forma que são! Nós, a classe trabalhadora, estamos orgulhosos e nos regozijando ao ver que vários burgueses e pequenos burgueses se incomodaram com a nossa cara! As periferias de todo o mundo sorriem e erguem o dedo médio para todos os artistas que se preocupam em puxar o saco das empresas só para garantir a boquinha.

Milhões de abraços, beijos e afagos queridos!

Extremos Atos disse...

Não venham com citações de Vianinha. O Teatro daqui é de Periferia e não de plaboy.

Respondi a Norival Rizzo

http://dramasp.blogspot.com/

e assino

Emerson Alcalde

se quiser, tio, tamu aí, no lado leste na quebrada chamada Cangaíba

Juliana Tura disse...

Que desaforados! Até ri. Aplausos.

Anônimo disse...

Pra mim, estão apenas se a mostrando... No fundo, no fundo... Gostam de estar nos holofotes da mídia, mesmo contra ela. Isso já é uma maneira de estar inserido de alguma forma nela: A grande mídia! Na verdade George Orwel é muito feliz em Revolução dos Bichos: Os porcos querem ser homens, os homens querem ser porcos... Revolução sem causa... Quem é revolucionário, é quem está na linha da miséria e pobreza... Vê se os integrantes do grupo estão nessa situação... Vê se falta comida, dinheiro pra viagens, cervejinha ou pro cigarrinho... Ou até dinheiro pra abastecer o carro nos postos da Shell. Assim é fácil ser revolucionário... Pra mim, são Pequenos Burgueses... Querendo estar no lugar da Burguesia... Decoram meia dúzia de palavras do livro marxista e saem vomitando por aí...

Anônimo disse...

liberdade de expressão é um direito do cidadão, então o ato do Dolores é legal(ainda que a legislação serve de quem tem mais). ponto final.

Alexandre disse...

Não coloque ponto final nos debates e se não conhece o grupo vá conhecer. Se não sabe da realidade das pessoas que fazem parte daquele grupo vá conhecer antes de julgar como a pequena burguesia.

Luciano Santiago disse...

Viva ao Teatro de luta!

Acabou!!!

O Teatro não é, nunca foi e nunca será da Elite! Que o utilizou por muitos anos, e ainda o utiliza, para manipular o povo.

O Teatro é do Povo! E a ele volta!

Difundir o teatro pelos cantões da cidade é um grande processo de guerrilha para derrotar o capitalismo e esse consumismo virtual... O povo não precisa de novelas, Big Brothers e etc... O povo precisa de investimentos na educação PÚBLICA, cultura PÚBLICA, transporte PÚBLICO, saúde PÚBLICA, liberdade para ir e vir E NÃO SER EXPLORADO pelo MERCADO, pelo PATRÃO, pelas Grandes PRODUTORAS, TELEVISÕES, REVISTAS... O povo diz NÃO a esses políticos filhos das putas! Aos aproveitadores de plantão... Que se dizem do lado do povo... Que utilizam a periferia também para se auto-promoverem ou utilizam o discurso marxista para dizer que é revolucionário (Esse é pior ainda, que acaba traindo a si, e aos movimentos sociais e culturais!)

Parabéns ao Dolores (Vocês fizeram mais do que a obrigação de vcs...rsrs), não somente pelo protesto... O protesto não significa tanto, quanto a pesquisa séria, o comprometimento com as classes sociais para continuar a luta. Mas é importante enaltecer o trabalho bem desenhado do espetáculo... Que se não fosse isso, o grupo não teria a oportunidade de fazer esse protesto, pois, somente realizar discurso, não consolida o trabalho proposto pele coletivo de trabalhadores do teatro. Afinal, antes de tudo, vcs fazem teatro que é uma das ferramentas para criar a reflexão e luta contra o Burguês.

Viva ao Teatro do Povo!
Morte ao Teatro de Elite!
Viva ao Dolores Boca Aberta!
Morte ao Drama!
Viva a nós, povo brasileiro!
Morte ao patriotismo estrangeiro!

Luciano Santiago
Trupe Artemanha de investigação urbana
Local: Quebrada Sul de São Paulo
“A Quebrada Reage e Age!”

Edilaine Cardoso disse...

É pessoal, realmente ficou faltando um poquinho só pra ação ser completa. Aceitar o prêmio, calou o grito de Gooooll na minha garganta. Só mostra que não nos damos conta de que estamos apenas reproduzindo aquilo que "teoricamente" queremos combater. Ser contraditório sem abrir mão de nada, fica fácil. É uma pena...
Começo a duvidar então.

"Quem tem boca fala o que quer pra ter nome,
pra ganhar atenção das muié e/ou dos homens"

Racionais Mc's


Edilaine Cardoso

Celso Cardoso disse...

Concordo com o Sr. Anônimo: a "liberdade de expressão é um direito do cidadão". Também quero exercê-la, apesar de sua imperial ordem: "Ponto final." Não, Sr. Anônimo, vírgula... Ao debate, vamos! O Senhor deveria não só jantar no "triângulo das permutas" (a comida é boa e também janto por lá às vezes!), mas também tomar uma sopa na casa do Dolores (eu já fui e também é boa!) e aproveitar pra conhecer o seu trabalho.
A ação doloriana é coerente com sua história e trajetória. E abre um excelente debate, mais uma "brecha", uma "fissura", como eles dizem. E não concordo que agiram "sem abrir mão de nada". Acho que Prêmio Shell o Dolores não leva mais... Menos um concorrente, ora.
Em Boca Aberta pode entrar mosquito, mas também pode sair labareda!!!
Quem se queimou nessa?

Hip-Hop Poeta disse...

Uma pessoa que se coloca como anônimo não é digno nem de ler seu texto.

miguel disse...

Liiiiiiiiindo...

Aqui em Portugal nunca tinha ouvido falar de vocês, e logo à primeira vocês conquistaram a minha amizade.

É isso mesmo gente, a arte bem juntinho da vida. Essa cena da garrafa de óleo merecia que vocês recebessem outra palma da Shell, encenação dourada, timing cómico a roçar a perfeição, compreensão absoluta do momento, a eternidade num único instante.

Aceitem esta minha vénia, e os meus desejos de tudo quanto é bom pra vocês.

um abraço transatlântico,
miguel

Márcia Rocha, Embu das Artes disse...

'Toda ação gera uma reação, contrária e proporcionalmente igual"
Serve tanto pra explicar uma série de fatos que levaram o Dolores ao ato, qto poderá explicar desdobramentos advindos deste ato.
Fiquemos atentos às possíveis sanções que o grupo sofrerá no acesso à programas de incentivo - sabemos que de fato, não há critérios objetivos, os critérios objetivos apenas para justificar o compadrio!
Cuidem-se Bem

Marco Antonio Garbellini disse...

Adorei a fala do Grupo!!! É raro encontramos uma pérola como esta no meio de tanta estupidez que vemos deflagrada como verdade absoluta por tantas e tantas vezes seguidas!!! Que os Deuses do Teatro abençoem sempre e sempre as palavras iluminadas de vocês!!! Viva o Teatro o trabalho de Grupo a pesquisa nossa de cada dia.
Garbel

Jaqueline disse...

LINDO! Vcs são ótimos Dolores!

Anônimo disse...

o melhor comentário sobre a matéria da bacante:

Estamos comparando entregas do Oscar com entregas do Prêmio Shell?

Estamos comparando o discurso primoroso do Lars von Trier com “Nossa alegria é tão nossa que nenhum cartel será capaz de monopolizar.”?
Estamos comparando artistas que protestaram e se recusaram a receber prêmios com artistas que protestaram e ainda assim receberam o prêmio?
Cinco maneiras de ser coerente.

Anônimo disse...

esse tb ta otimo?

Devolveu ao público? Quando? Onde?
Será que esse dinheiro não será aplicado nas pesquisas do grupo? Se for, não é contraditório? Temos que lembrar que este dinheiro público só existe porque é a receita de uma empresa que gera o imposto. Logo, pelo pensamento do grupo, é um imposto gerado pelo trabalho de uma empresa selvagem. Diante disso, o protesto e pensamento deste grupo, cujo trabalho desconheço, é raso e retrógrado.

Osni Dias disse...

Caraca, vocês continuam os mesmos, e isso é muito bom!
Desde os protestos contra os "laboratórios de informática" da faculdade, quando até mesmo o jornalista Chico Pinheiro, que esteve presente, se colocou ao lado dos estudantes, dizendo "estou aqui para uma palestra, não para inaugurar algum tipo de obra para promover a escola", Dolores se mantém firme em seus propósitos de inverter o vetor se significação das coisas, lutando pelos mesmos princípios, a mesma ideologia e, por isso mesmo, recebendo aplausos da crítica e do público. Parabéns ao grupo, vida longa ao "Dolores", beijos fraternos aos não tão doces bárbaros contemporâneos do tablado. Osni Dias (nada anônimo)

Silvio Bahiana disse...

Raríssimo o posicionamento de vocês. Mais que os parabéns saibam de meu alívio de perceber gente que produz um trabalho de qualidade e que, ao ser reconhecido pelo sistema/mercado, o denuncia, o critica, mantendo sua identidade essencial.
Gostaria de um email para o qual pudesse eu mandar, para ciência de vocês, também uma raridade de minha parte.
Saudações cidadãs e igualitárias.

Silvio Bahiana disse...

Em tempo, para envio do email: sbahiana@gmail.com.

Gu disse...

Olá, eu não sei se vocês já sabiam, mas o protesto quase coincidiu com esta decisão abaixo.

http://www.advivo.com.br/blog/gustavo-belic-cherubine/shellbasf-condenacao-e-mantida-caso-paulinia

Recomendo a leitura.

Abraços, Gustavo Cherubine.

Anônimo disse...

A mim parece não fazer sentido dizer se gostamos ou não do ato. O ato foi válido, por ser a forma artística encontrada pelo coletivo de agir. Um coletivo, que ao que parece, reflete bastante sobre diversas questões e procura diferentes formas de atuar na sociedade. Cabe a cada um, ou a cada coletivo, entender o seu papel também, refletir sobre suas ações (futuras). Falar é fácil, o difícil é fazer. Acusações ou ofensas não ajudam, assim como fanatismo. Mas a insatisfação está aí, bem presente, em todos nós, o que será que deve ser feito?

Nossa Senhora do Teatro disse...

Queridos companheiros!
Vcs não agrediram a massa falida! Vcs foram corajosos, eu estou aqui no Rio de Janeiro numa alegria de fazer pinto no lixo ter inveja! O que vcs fizeram já nos rememmora Brecht, Artaud, Kantor e outros mais. Vocês merecem mais do que os parabéns. Este prêmio foi apenas um cala bocas, ou seja vamos fazer alguma coisa para não dizer que não falamos das flores, foi maravilhoso! continuem assim, alguém deve mudar o rumo das artes e do teatro brasileiro. Vcs não merecem este prêmio cala bocas, que não calou e sim auxilio financeiro para o processo de vcs! Parabéns com louvor!

Daniel disse...

Parabéns! Parabéns! Extremamente corajoso o ato de vocês!!!! Quanto a polêmica que vi rapidamente sobre receber o prêmio e se isso seria uma contradição ou não, a minha opinião é que está mais do que certo receber! Do contrário, seria o quê? Protestar e entregar milhares de reais de volta para os cofres da Shell? Sigamos protestando e, sem contradição nenhuma, arrancando cada centavo que conseguirmos. Como vocês bem disseram, esse dinheiro é só uma parcela irrisória do que é nosso! Parabéns!

Anônimo disse...

Repito o comentário dos colegas: parabéns pelo ato!

Como sugestão, vocês poderiam trabalhar o espaço do blog para divulgar certo tipo de informação que a mídia supostamente "ignora". Muitas das críticas que vocês devem receber vem do desconhecimento das ações nada humanitárias decorrentes, por exemplo, da exploração do petróleo.

Exponham e denunciem o que o jornalismo aberto, que tanto se compromete com a verdade, diz desconhecer. (Eu trabalho com jornalismo e sou irônica com conhecimento de causa)

Seguimos juntos, cada um com seus meios, na tentantiva de um mundo que tenha, no mínimo, princípios básicos de humanidade.

Saulo Tadeu disse...

OS VISIONÁRIOS...

HÁ NO MUNDO CONTRARIEDADES, POIS HÁ OPRESSÃO! O GRUPO DOLORES COM UMA VISÃO AMPLA E DIRETA SOBRE OS MECANISMOS INVISÍVEIS CAPITALISTAS QUE CONSOMEM NÃO SÓ OS RECURSOS NATURAIS MAS ATÉ MESMO OS INTELECTUAIS DA MASSA. DESPERTA A ATENÇÃO, MUITOS DOS QUE CRITICARAM, NÃO TEM A CIÊNCIA DESTAS OPERAÇÕES PSICOLÓGICAS, OU ALGUNS CRÍTICOS SÃO NA REALIDADE ENGRENAGENS MOLDADAS DENTRO DA SOCIEDADE E CORPORROCRÁCIA ESTABELECIDA PELO ATUAL SISTEMA, NUNCA EXISTIU TANTOS ESCRAVOS COMO EXISTEM HOJE, A TELEVISÃO E MUITOS MEIOS PUBLICITÁRIOS SÃO NA VERDADE ARMAS DE DESTRUIÇÃO DE MASSA "CEFÁLICA" CLARAMENTE JÁ HAVIA NO EVENTO "UM X SABE TUDO"... QUE TERIA DE CONTRIBUIR COM A SUA CRÍTICA DESTRUTIVA, O GRITO CHAMA A ATENÇÃO, NUNCA SEJA SILENCIADA A VERDADE, OLHEM NA HISTORIA OS VERDADEIROS MORRERAM POR ELA, GRITO COM O GRUPO DOLORES PELA FORÇA, SE SOMOS CONSIDERADOS A BASE DA PIRAMIDE DA SOCIEDADE VAMOS FAZER O PICO TREMER !!! (SAULO MARTINS CHAVES)